Renorbio promove II Encontro de Biotecnologia do Nordeste

26 de novembro de 2019 - 14:08 # #

O evento acontece em Fortaleza, discutindo avanços relativos a biotecnologia em saúde, agropecuária, recursos naturais e industria

“Não há projeto de desenvolvimento no mundo sem investimento em ciência e tecnologia”, disse o secretário da Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Inácio Arruda, durante a solenidade de abertura do Workshop Renorbio 2019: II Encontro de Biotecnologia do Nordeste, que acontece em Fortaleza, de 26 a 29 de novembro, na sede da Fiocruz, reunindo alunos de doutorado de todos os estados nordestinos e do estado do Espírito Santo.

Para o secretário Inácio Arruda é preciso formar a população como base para o crescimento do País. “Só assim teremos uma nação forte, com melhor qualidade de vida para a população, e com menos desigualdade social”, ressaltou, mostrando a importância de se promover um grande projeto de CT&I, que irá permitir um passo mais largo para o desenvolvimento”.

Durante a solenidade de abertura, a coordenadora do evento, Maria Izabel Florindo Guedes, falou sobre a importância do Encontro, que visa proporcionar um clima de parceria entre academia e o setor produtivo. “Isso é essencial para a biotecnologia, que é uma área estratégica para a economia mundial”. Ela explico que durante o evento serão apresentados trabalhos produzidos por alunos de doutorado da Renorbio, destacou o crescimento do setor no Ceará. Agradeceu ao secretário Inácio Arruda pelo apoio que a Secitece e a Funcap vêm dando a biotecnologia, criando editais para financiamento de pesquisas.

Presente a solenidade a professora Paula Lenz, representado a Funcap e o diretor da Fiocruz, Odorico Monteiro, que deu boas vindas aos participantes do encontro, conclamando a todos a unir forças em defesa da ciência e tecnologia. “Precisamos de mais pesquisadores, precisamos de mais mestrados, de mais doutorados e de incentivos para transformar os nossos produtos em negócios”, afirmou.

Encerrando, a Coordenadora Geral da Renorbio, Lucymara Fassarella Agnes Lima, disse que o Brasil está vivendo um período de treva na ciência. Pediu união e disposição de todos para dar visibilidade ao que a Rede Nordeste de Biotecnologia (Renorbio) vem realizando, explicando que a rede é formada por instituições de ensino e pesquisa de todos os estados da Região Nordeste e do estado do Espírito Santo, agregando cerca de 200 pesquisadores, atuantes nas diferentes áreas da Biotecnologia. Sua base de sustentação promove uma maior integração entre os setores produtivos da área de biotecnologia com a academia, buscando estreitar integração entre ciência e mercado.