#FdCR – Primeiro dia de atividades movimenta região do Sertão Central cearense

14 de novembro de 2019 - 13:53 # # # #

Ciência, inovação, negócios e o melhor da tecnologia foram alguns dos pontos que marcaram o primeiro dia da Feira Regional do Conhecimento, realizada em Quixeramobim, no Sertão Central do Ceará. O evento segue nesta quinta-feira (14) e deve atrair centenas de visitantes em seus dois dias de realização.

Uma das ações da feira, o programa Corredores Digitais, abre espaço para que pesquisadores das redes municipal, estadual e superior de ensino possam apresentar seus projetos e ações. Durante o momento conhecido como “Pitch Day”, 15 trabalhos foram expostos para o público presente e para uma banca composta por quatro avaliadores.

Entre as apresentações, o estudante Mateus Torres com trabalho “Meu Troco – Onde cada moeda conta”. A iniciativa visa desenvolver um aplicativo no qual consumidores poderão acumular trocos de centavos que, na maioria das vezes, estão indisponíveis nos estabelecimentos. O consumidor acumularia os centavos e faria o saque do acumulado no momento desejado.

Vale ressaltar que a equipe de especialistas avaliadores irá selecionar os melhores projetos. Em todo o Ceará, serão 200 trabalhos concorrendo. No dia 20 de novembro, serão anunciados os 50 melhores colocados que avançam para a etapa Estadual da Feira.

“Nessa etapa, percebemos que o nível dos projetos está muito bom. Os autores já passaram por uma primeira fase e, por isso, já chegam aqui com uma ideia do que é uma startup, com planejamento de captação de recursos. O nível está excelente”, avaliou Thiago Barros, coordenador da CriarCE e colaborador do Pitch Day.

Ciência Itinerante

Com o objetivo de fomentar o interesse pela tecnologia em todo o Ceará, o ônibus do projeto Ciência Itinerante marcou presença em Quixeramobim, proporcionando aos alunos da rede pública e visitantes em geral uma vivência da ciência de forma mais aprofundada.

Professor da escola de Ensino Médio Assis Bezerra, Francisco Genário, parabenizou a ação. “Aqui a gente sente os alunos autores bem engajados nesse projeto. Assim, eles estão aproximando mais público e ciência”, avaliou o professor que acompanhava um grupo de alunos.

Ainda no Ciência Itinerante, os alunos da Escola Estadual de Educação Profissional Dr. José Alves da Silva conferiram de perto as explanações sobre Energias Renováveis e não Renováveis e a Funcionalidade de Novos Equipamentos Computacionais. Na primeira, o aluno angolano da Universidade da Integração da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), Simão Fernando, levou à explicação exemplos práticos e os benefícios e prejuízos com a aplicação desse tipo de energia.

Em seguida, Leonardo da Silva fez demonstrações de como novas peças computacionais estão auxiliando em serviços modernos e que se utilizam da tecnologia. Como modelo, falou sobre o novo sistema de transporte público de Fortaleza, onde peças permitem que a máquina localizada nas catracas realize o autoatendimento com segurança.

“A gente relembra conteúdos de escola de uma forma bem descontraída. Passamos a enxergar a ciência de uma forma mais simples”, disse a aluna Aline Costa.

Ceará Faz Ciência

Em outro ponto da feira Regional, os stands do Ceará Faz Ciência trouxeram projetos que vão do auxílio em sala de aula à acessibilidade, todos com um alto poder de inovação.

Após convite para a participação no evento “Praia Acessível”, em Fortaleza, a aluna de Fisioterapia Raquel Alves e sua equipe desenvolveram um “Andador de Acesso à Praia”. Com custos baixos, inicialmente o projeto tinha o objetivo de atender pessoas com deficiência de locomoção para chegar à beira do mar. No entanto, a prática mostrou a necessidade de expansão, passando a beneficiar também idosos e pessoas com deficiência visual.

Para Raquel, os resultados, até de certo ponto inesperados, trazem satisfação para toda a equipe. “A sensação é de muita felicidade. A gente perceber que com tão pouco, conseguiu fazer algo grandioso. Os idosos relataram que chegaram perto do mar com o equipamento e se sentiram seguros. Esse retorno deixa a gente muito feliz”, comentou.

Implementar o ensino da tecnologia ainda no ensino fundamental foi a proposta do projeto do aluno de Engenharia da Computação da UFC – Quixadá, Carlos Alberto Ferreira. “A ideia é difundir o projeto de extensão da UFC e levar os protótipos para as escolas para que as crianças comecem cedo a ter contato com a lógica de programação”, explicou.

Já o também aluno da Engenharia da Computação David Tavares busca auxiliar os ingressos nos cursos superiores da área da computação. “A gente percebeu que no início do curso são ofertadas mais disciplinas teóricas e que os alunos não se interessam tanto pela teoria, e necessitavam de um embasamento prático. A gente teve a ideia de, para cada área estudada, você criar um protótipo para exercitar e deixar os alunos mais próximos de trabalhar o que está sendo visto na teoria” esclareceu.

A Feira do Conhecimento Regional – Sertão Central é uma promoção do Governo do Ceará, através da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece) e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). O evento conta com o apoio da Fatec/Centec, UFC, IFCE, Uece, Unicatólica, Faculdade Cisne e Sebrae.

Texto: Felipe Clisma

Fotos: Antônio José